Escrito por:

#Notícias | 10/11/2021


Biblioteca Pública do Estado discute autoria negra feminina em celebração aos 50 anos do Dia da Consciência Negra

A Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul (BPE), instituição da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), apresenta o projeto Letras Pretas no Sul para celebrar os 50 anos da criação do Dia da Consciência Negra.

Durante o mês de novembro, a BPE vai divulgar, nas suas redes sociais, informações sobre autoras negras que nasceram ou que vivem e produzem no Estado, e reflexões acerca dessa atividade e sobre as diferentes vozes na literatura. 

O projeto, com curadoria da gestora cultural Sabrina Lindemann, vai culminar com a live Letras Pretas no Sul, no dia 19 de novembro, às 20h, no Facebook da Sedac. O evento contará com a participação das escritoras Fernanda Bastos e Nathallia Protazio, e terá mediação da jornalista e Assessora da Diversidade da Sedac, Clarissa Lima. 

Sabrina Lindemann apresenta em sua curadoria de Letras Pretas no Sul a proposta de escutarmos as vozes na literatura com a consciência da necessidade de um postura ativa: “Diante dos números apresentados em pesquisas sobre o restrito perfil de autores, publicados por grandes editoras, na literatura contemporânea, vamos conhecer quem são as autoras negras que fazem literatura em nosso Estado, e como se chega à obra delas. Este é o grupo que menos aparece nesse mercado editorial, segundo as pesquisas, nesse recorte de mais de 3 décadas”, explica.

Morgana Marcon, diretora da Biblioteca Pública do Estado fala da importância de destacar o trabalho de autoria feminina negra: “Durante muito tempo apenas os homens tiveram o direito à escrita literária, desses, a grande maioria era branca. Dar voz à mulher negra e conhecer o seu trabalho é uma maneira de conhecer outras formas de ver a vida e de exercer a escrita. A Biblioteca Pública se preocupa em refletir sobre como podemos combater o silenciamento e o apagamento histórico das escritoras negras.”

Entre as questões que envolvem o debate sobre a consciência negra, está a preocupação de estender a reflexão para além do mês de novembro. Nesse sentido, a Biblioteca Pública do Estado vai manter o projeto Letras Pretas no Sul e deixar um canal aberto de comunicação, para ser divulgado nas redes sociais da BPE. Sabrina Lindemann explica a importância de tratar do racismo durante todo o ano e que esta deve ser uma pauta constante nas instituições. “Durante o mês de novembro de 2021 as escritoras negras que tiverem interesse em ter publicações com a sua atuação  e com suas obras podem enviar à Biblioteca Pública seus dados e ao longo do próximo ano, até novembro do ano que vem, a Biblioteca irá publicar esses cards, como atividade contínua de estímulo para que os leitores possam buscar o que as autoras negras escrevem no Rio Grande do Sul.”

 

Sobre o Dia da Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro para promover ações de combate ao racismo e promover o debate sobre a chegada dos negros ao país, a escravidão no Brasil e o racismo estrutural da sociedade. 

A data foi criada, em Porto Alegre, em 1965, por intelectuais do Grupo Palmares. O movimento escolheu o 20 de novembro, data da morte de Zumbi dos Palmares: símbolo da resistência e da luta pela liberdade.

Para marcar os 50 anos da criação do Dia da Consciência Negra, data instituída pelo governador Eduardo Leite no decreto 55.880, de 13 de maio de 2021, para lembrar a criação da efeméride no Rio Grande do Sul, a BPE, desenvolveu essa programação especial sobre escritoras negras que nasceram ou vivem no Estado do Rio Grande do Sul.

 

Sobre as participantes

Sabrina Lindemann (Curadora) trabalha no Memorial do Rio Grande do Sul. Licenciada em Educação Artística, com Habilitação em Artes Cênicas pela UFRGS. Especialista em Práxis da Criação de Texto pela UniRitter. Graduanda em Licenciatura em Letras e Literatura pela Univates.

Clarissa Lima da Silva (Mediadora) é jornalista, coordenadora da Assessoria da Diversidade da Secretaria de Estado da Cultura.

Nathallia Protazio é pernambucana, farmacêutica e escritora. Já morou em muitos lugares, incluindo São Paulo e Lausanne, Suíça. Hoje vive em Porto Alegre/RS, onde acaba de lançar o título “Aqui Dentro”, na coleção de bolso “A voz da Ancestralidade”, pela Editora Venas Abiertas. O livro está disponível pelo Instagram da autora: @nathalliaprotazio.

Fernanda Bastos é jornalista e escritora. É editora-geral da Figura de Linguagem e também servidora pública estadual. Mestranda em Comunicação e Informação (Fabico), é formada em Letras (Ufrgs). É autora de “Dessa Cor” (Figura de Linguagem, 2018).

 

SERVIÇO

O quê: 50 anos da criação do Dia da Consciência Negra na BPE – Live Letras Pretas no Sul e programação especial nas redes sociais da BPE

Evento: Live transmitida pelo Facebook da Sedac e BPE

Data: 19.11.21

Horário: 20h

Participantes: Escritoras Fernanda Bastos e Nathallia Protazio

Curadoria: Sabrina Lindemann

Mediação: Clarissa Lima da Silva

 

CONTATOS

Cláudia Antunes (Assessoria de Imprensa da BPE) – 51991919203 / bpe.imprensa@gmail.com

Morgana Marcon (Diretora da BPE) – 999878299 / bpe.direcao@gmail.com